TODOS OS POETAS

Antologia Poética

 

ACASOS

Aroldo Ferreira Leão

 

Somos acasos cansados e doídos,
Mortas criaturas atreladas
Aos contratempos de um mundo
Sujo e violento.
Em nós a poesia renasce pálida
E espantada,
Percorre caminhos sinuosos e estreitos,
Nos fundamenta no caos de nós mesmos.
Nossas mesmices nada acrescentam
A nossos espíritos atrapalhados
Pela correria de um tempo
Que não pode esperar ninguém.
Nosso amor nos fechou para outros amores,
Nos poliu com as sutilezas das faces
Acanhadas e desiludidas.
Somos o medo das conquistas,
A dor dos corações roídos
Por dentro,
A eternidade das coisas sem sentido.

 

 

VOLTAR