TODOS OS POETAS

Antologia Poética

 

Bruno Garge Junior

 

Soneto do Amor Eterno

 

Desejo-te agora mais do que antes
e menos do que irei desejar
Desejo-te como jamais pude amar
para em matéria sermos amantes

Desejo-te, então, por necessidade
de ser chama de paixão ardente
Desejo-te não só no presente
mas por toda eternidade

Por que amo-te com tal infinidade
como quem só pode amar assim:
onde cada instante da realidade

acaba por se petrificar em mim
com tão profunda intensidade
que nada é capaz de lhe dar fim.

 

VOLTAR