O TEMA DO POEMA

Antologia de Poesia Temática

CRIANÇAS


TODAS AS CRIANÇAS


Luiz Carlos Amorim


Tenho pequenos sorrisos grandes,
saudáveis, perfeitos, felizes,
inspiração maior dos meus versos,
motivos do meu viver.

Tenho pequenos abraços grandes,
apertados, singelos, vivazes,
cálices transbordantes
de carinho e de alegria.

Tenho pequenos beijos grandes,
lambuzados, melados, molhados,
expressão maior do amor
que tenho prá dividir.

E os sorrisos presos nos lábios?
E os abraços não dados?
E os beijos sem endereço?
Quanto amor desperdiçado...
Tanto amor abandonado.
..

 

OS MENINOS


Luiz Carlos Amorim


Outra vez menino,
aprendo engatinhares,
vou vivendo novas vidas,
sorrindo novos sorrisos,
sentindo mais emoções.

Menino de novo,
divido tantos e tantos sonhos,
aprendo novos amares,
descubro luz nos caminhos
e vejo a força do amor.

Menino que sou,
olhos sem vendas, coração criança,
ainda vejo a natureza,
vejo cores, vejo luzes,
apesar do abandono
do homem à própria vida.

O mundo precisa de muitos,
muitos e muitos meninos
para ensinarem aos homens
a salvar a natureza...

 

CHUVA


Luiz Carlos Amorim


Chove.
E a infância, tímida,
saudadezinha contida,
teima em querer voltar.
Aqueles dias se foram,
aqueles dias felizes
e a criança também...
Já não corro mais na chuva,
nem solto na corredeira
meus barquinhos de papel.
Tão distante, aquele tempo...
Quem sabe, amanhã, talvez,
eu saia descalço na chuva,
peito nu, a festejar
saudade da minha infância...

 

CHAMA


Luiz Carlos Amorim


Um menino
cruzou o meu caminho.
Despido de tudo,
até quase de vida,
restava-lhe, apenas,
no fundo dos olhos,
uma chama pequena,
quase apagada,
de pura inocência.
Dei-lhe um sorriso,
velho e surrado
de esmola
e fui procurar
a minha chama
perdida...

 

EXCEPCIONAIS ?!??!!?

Laura B.Martins


«Criança excepcional!»
Mas o que é isso?
Em relação aos outros,
sabes mais?
És só diferente;
chamam-te, por isso,
‘deficiente’,
diferente dos demais.

Não sabes fazer
muito mais que aquele, dito
’normal’,
sendo ele igual a tanta gente.
Tu sabes fazer menos
que o prescrito,
na tua forma própria,
um pouco ausente.

Nessa mentalidade
não concebes,
que haja no mundo
diferenças tais.
Porque tu és diferente,
não percebes,
‘que todos são diferentes
mas iguais’.

Talvez nos caiba a nós,
ditos ‘normais’,
porque abarcamos tudo isso
num segundo;
porque somos humanos
e animais,
respeitar
todos os seres vivos do mundo.

 

VOLTAR