TODOS OS POETAS

Antologia Poética

 

Esther P.S. Rosado

 

PALAVRA


Palavra,
por que navegas
em teu barco que não compreendo,
com teus remos de metáfora,
em águas tão transparentes
feitas de outras mil palavras?
Palavra,
teu nome é doce,
é fome de quem não come,
música para quem não ouve
e que ruído algum pressente.
Palavra, surpresa e vício,
em ti o fim e o início
principiam sem cessar.
Assopro a palavra dura,
revisto-a com figuras
e as tento compreender;
mas, enigma, me desvendas
e pões a nu, quando tentas,
de ti me aproximar
Nomeio-te desde a aurora,
uso-te nas coisas simples,
amo-te espada, alfinete,
pirâmide, pedra, ar.
E navegas minhas águas
(Ulisses, Vasco soberbos)
Mata-me a sede (ou a fome?)
no que trago em mim de homem
e eterno recomeçar.


estherr@iconet.com.br (Nave da Palavra)

VOLTAR