TODOS OS POETAS

Antologia Poética

 

João S Martins

 

NOCTURNO

 

soltam-se tinta e caneta
luta a mão com outra pena

entorpecida sonolência
de palavras e cartas

incompletas as pálpebras
descaem folhas entre os dedos

sonâmbulos

entregam-se os corpos
e abraços aos sonhos

semeados cama cheia
de história e de livros

entendimentos de amor
de toda a hora reinventados

VOLTAR