TODOS OS POETAS

Antologia Poética

 

 

Maria de Fátima Higino Bernardo

 

QUANDO O VENTO SOPRA FORTE

 

Que sopro de vento forte,

arrisca nossa vida e lança nossa sorte.

Diante das palavras traduzidas em sua voz,

nossa meta é vencer o tempo que é veloz.


Não alcançaremos a sua dimensão,

mas conheceremos o rítmo de sua canção.

Um murmurar de encontro ao seu destino,

enfrentaremos um sopro contínuo.


Alguns argumentos não exercerão

a nossa glória,

somente de pó em pó imunizará a memória.

A revolta transformará os restos, em pedaços

de esperança,

que ficarão frisados no rosto da criança.


Quanto tempo se fez passar e o

vento se fez então parar, e

tantas coisas que conseguimos suportar.

Na platéia há olhares estremecidos,

sobre os vestígios não esquecidos.

Oh! Vento forte...

 

VOLTAR